30.10.14

A geração do meu neto vista por quem a compreende! No Público

Geração 20-30, podemos falar a sós?

A nova geração de jovens formados procura uma oportunidade. Acreditam que podem fazer a diferença. Descobrem que já não cabem. Que estão a mais
Texto de Rodrigo Viana de Freitas • 27/10/2014 - 16:29
É um clássico: quando se fala de gerações, as mais velhas são sempre as melhores. Liam mais, estudavam muito, eram mais trabalhadoras. E todas elas – as mais velhas – olham com particular preocupação para esta faixa etária, “estranha e perdida”, hoje entre 20 e 30 anos. Uma desgraça.

Como estou (infelizmente) fora dessa zona de risco, podia aproveitar o embalo das linhas de cima e dizer aqui poucas e boas acerca dessa juventude dos vinte e tal. Podia, mas não o farei. Porque a entendo, admiro e nela deposito uma grande e sentida esperança.

O país e o mundo assistiram nos últimos anos a uma profunda mudança de paradigma. Tudo mudou. As comunicações transformaram-se. A informação democratizou-se. O mundo tornou-se global. E muitos, que com entusiasmo assistiam a tudo isto, escolhendo ou terminando um curso superior, sentiram na própria pele que caíamos abruptamente numa das mais graves crises financeiras das últimas décadas.

Em Portugal, não precisamos de detalhar os impactos sentidos. Empresas a fechar, departamentos a reduzir, salários a encolher. Quem contrata quer mais por menos. Quer juventude, aliada a experiência e baixo preço. Quer o mesmo impossível que lhe pedem os clientes. A mesmo ginástica que lhe exige a máquina fiscal.

É neste cenário que a nova geração de jovens formados procura uma oportunidade. Acreditam que podem fazer a diferença. Descobrem que já não cabem. Que estão a mais. Que o que existe ou é curto ou é mal pago. Que os conselhos que ouvem em casa não se adequam ao que veem no mercado. Que são obrigados a crescer, mas impedidos de o fazer.

Esqueçamos então os piores exemplos, que, de uma forma ou de outra, marcaram também todas as gerações anteriores. Concentremo-nos nesta e no que faz, de facto, a diferença. Olho para eles e vejo gente que se continua a formar. Que tirou um curso e que mantém, em muitos casos, uma forte aposta na formação, com mestrados e pós-graduações. Vejo gente que viaja. Aproveitam as "low cost" e repetem os nossos “inter-rails”, mas de forma frequente e diversificada.

Mas vejo mais. Vejo gente que fala línguas. Várias. E que quer aprender mais. Gente que domina como ninguém as ferramentas digitais do também nosso presente e futuro. Gente que não teme a emigração. Que já a testou em Erasmus e que se abre a oportunidades mais ou menos longínquas. Vejo ainda gente da nova cultura. Dos festivais, mas também do teatro e do cinema, mesmo que descarregado da net. Vejo mentes mais abertas e muito menos formatadas.

Continuo a olhar. Olho e sossego-me. É que vejo, também, gente que ainda não percebeu que a revolução digital aliada à crise de 2008 é uma oportunidade de ouro. A oportunidade. Que lhes deu as ferramentas e que os obrigou a ser melhor. A saber arriscar. A (mais) nada temer. É que a dureza do caminho – que lhes adia alguns sonhos, que os empurra para fora do país e que os obriga a recorrer aos pais e a não ser pais – está a tornar esta geração numa nova força de exigência, contrária a gerações anteriores, que entraram no mercado de trabalho empurradas pelos milhões da União.

É para mim mais do que certo: quando este vento passar, será todo este talento que nos fará navegar.

11.10.14

NEM MAIS NEM MENOS!!

Fórmula matemática da demissão de Crato

por Rui Rocha, em 10.10.14
Milhares de alunos x 0 professores +(professores colocados e depois despedidos x ministro tapado por faltas à verdade) + (1 professor colocado x 10 escolas) + (2 professores / 1 único horário) = demissão

Não é uma opinião. É uma evidência matemática.

29.9.14

A ESPERANÇA É A ÚLTIMA A MORRER! HÁ O CRAVO E O PS RELOADED!


foto:JN

Espero que o António Costa comece imediatamente a fazer oposição ao governo, coisa que Seguro nunca fez!! Isto está de uma maneira que agora é ver para crer . Vamos ver se não é mais do mesmo, AS CARAS SÃO AS MESMAS DE OUTRORA.EXCEPTO O ANTÓNIO COSTA ATÉ PARECE O PARTIDO DA BENGALA.

26.9.14

Ditado Popular- Vai enganar outros!!

Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é burro ou não tem arte.

Apetece dizer depois de ouvir o Passos Coelho a queixar-se que é apenas um homem remediado, nunca foi rico. Ora carago, então o homem só ajudou a enriquecer outros e não sobrou nada para ele?
Uma pessoa até fica com pena!!! Porca miséria!
 O Salazar também morreu pobre, coitado! As semelhanças cada vez são mais acentuadas. Além disso, o homem demorou duas semanas para se lembrar que afinal não tinha recebido nada da Tecnoforma. Não sei se hei-de rir se hei-de chorar!

25.9.14

Carta a Portugal



Carta de Ricardo Araújo Pereira a Portugal sobre comida, língua e clima, na Visão de hoje:

«Isto do clima não pode continuar. Este Verão foi muito fraco. (...) A gente tolera a corrupção, a injustiça, a inveja, o subdesenvolvimento e tudo o mais que tu conseguires gerar. Mas tem de estar Sol. Se é para não haver Verão, (...) mais vale irmos para a Finlândia, onde as coisas funcionam. E a moral sexual das moças nórdicas é muito mais relaxada. Tens de escolher [, Portugal]: ou há regular funcionamento das instituições, ou há céu pouco nublado ou limpo. Vê lá isso, por favor.»

Na íntegra AQUI.

Sandro Miller, Andy Warhol / Self Portrait (Fright Wig) (1986), 2014 e John Malkovich

john-malkovich-iconic-portraits-recreations-sandro-miller-5

AQUI- John Malkovich o camaleão

Realidades Paralelas ou a Teoria das Cordas!! Na República das Bananas !!!

TODOS UNS SANTINHOS de pau carunchoso, digo eu....porque...o  Mário Soares  já está chateado e quer já mandar esta corja embora daqui para fora, eu tenho cá para mim que só vão quando não houver um único cêntimo para roubar no país, o que de resto já faltou mais.

«Portugal pode estar a caminhar para uma situação em que todos os ministros tenham de sair do País.»

21.9.14

Muito cá de casa. O PI E A GUILHERMINA


O pi é um Serra de Aires super inteligente e a Guilhermina foi apanhada dentro de uma silveira tinha umas duas semanas de idade e parece agradecer-me todos os dias por isso!


LEONARD COHEN - WAITING FOR THE MIRACLE

A loucura anda à solta!!

Syrische Flüchtlinge Türkei

Crianças sírias fugidas da barbárie, refugiadas na Turquia. via: Zeit Online.









Arte

Georg Baselitz, Besuch in Ekely, 2005. © Georg Baselitz
Georg Baselitz- "Besuch in Ekely,2005

NESTE NÃO É SÓ A MEMÓRIA QUE É CURTA, A INTELIGÊNCIA TAMBÉM DEIXA MUITO A DESEJAR ISTO PARA NÃO DIZER QUE É UM BURRO CHAPADO!

DA MEMÓRIA CURTA- 5000 euros por mês durante dois anos e não se lembra? O fulano ficou à rasca!